Ideal

Cientistas descobrem "Segunda Terra" onde pode ter vida alienígena

Essa "Segunda Terra" está localizada em órbita na estrela Proxima Centauri, pertencente ao sistema da estrela Alpha Centauri, a aproximadamente 4 anos-luz do nosso planeta

Cientistas do Observatório Europeu do Sul (ESO) anunciaram nesta quarta-feira (24), a descoberta de um exoplaneta com características muito semelhante ao planeta Terra, informa o jornal alemão Der Spiegel.
Observatório pode anunciar descoberta de "Segunda Terra" nesta quarta © DIVULGAÇÃO

De acordo com a publicação, a "Segunda Terra" está localizada em órbita na estrela Próxima Centauri, pertencente ao sistema da estrela Alpha Centauri, a aproximadamente 4 anos-luz do nosso planeta, uma distância relativamente pequena no espaço.
A existência da "Segunda Terra" abre inúmeras possibilidades de novas descobertas como, por exemplo, a existência ou não de vida extraterrestre.
De acordo com o estudo sobre a descoberta, publicado na revista "Nature", os seus autores explicam que o planeta recém-descoberto, batizado de Proxima b, tem massa apenas cerca de 30% maior que a da Terra e que as condições de temperatura lá, teoricamente, permitem a existência de água em estado líquido na sua superfície.
Os pesquisadores explicam que a descoberta identificou a presença de um planeta quente e de massa parecida com a da Terra, que orbita a estrela Proxima Centauri a cada 11,2 dias, a uma distância de 7,5 milhões de quilômetros, o que representa apenas 5% da distância entre a Terra e o Sol.
O Proxima B, nome dado ao planeta descoberto, está próximo do nosso Sistema Solar, a uma distância de quatro anos-luz. Isso indica, segundo cientistas, que futuramente poderemos viajar para visitar a "Segunda Terra".

Lavillenie não aceita vaia da torcida brasileira: "desrespeitoso"

"Se Bolt estivesse disputando contra algum brasileiro, não seria tão amado na Rio-2016", diz Lavillenie

O atleta francês do salto com vara Renaud Lavillenie, medalhista de prata na Rio-2016 após perder para o brasileiro Thiago Braz, parece não ter aceitado ainda as vaias da torcida brasileira.

© Reuters / Sergio Moraes
Em entrevista a um canal francês nesta quarta-feira (24), Lavillenie afirmou que o velocista Usain Bolt só não foi criticado, pois não havia nenhum brasileiro disputando com o jamaicano.
"Se Bolt estivesse disputando contra algum brasileiro, não seria tão amado na Rio-2016", diz Lavillenie.
"O comportamento do público antes estava tranquilo. Começou a ficar pior quando Thiago passou a disputar o ouro, quando passou dos 5,93m. E não fui o único estrangeiro que sofreu com as vaias, com o comportamento desrespeitoso. O americano Sendricks também. O polonês... Eu tive que pular mais nessas condições ruins do que os outros, pois fui até o final. Mas o que foi muito decepcionante foi o que aconteceu no pódio. Durante a competição foi decepcionante, mas nós tivemos que lidar com isso. E no pódio, bem, Thiago é muito jovem. Talvez ele não estava pronto para lidar com esse tipo de situação. Foi sua primeira grande final no cenário mundial", afirmou.
"Se o Thiago estivesse aqui (França), teria sido maravilhoso pelo aspecto desportivo. Porque iria reunir os melhores atletas do salto com vara para uma batalha real", concluiu.

Candidato a vereador é fuzilado com cerca de 30 tiros próximo a comitê

Autoridades ainda investigam a motivação do crime

O candidato a vereador Cerciran dos Santos Alves do PSDB, conhecido como Celso do Transporte, foi baleado cerca de 30 vezes e morreu na manhã desta quarta-feira (24), em Guarujá, no litoral de São Paulo.

© Divulgação

De acordo com a PM, ele estava dentro do carro dele e foi baleado em uma rua próximo ao comitê político dele. O candidato morreu no local.
Segundo o G1, as autoridades ainda investigam a motivação do assassinato.

Jady: Bolt tem 'corpo de campeão, mas partes masculinas não'

Estudante revelou detalhes sobre o encontro com o velocista jamaicano a tabloides internacionais

A estudante Jady Duarte, que já "adotou" o sobrenome Bolt, decidiu revelar detalhes sobre o encontro que teve com o velocista jamaicano. ao jornal Extra, ela afirma que não pretendia tirar proveito da situação, mas negociou entrevistas com dois tabloides britânicos em troca de dinheiro.

© Reprodução / Instagram / Jady Duarte

Em entrevista ao jornal Daily Mail, 'Jady Bolt' contou sobre o desempenho do atleta. "Ele tem o corpo de um campeão, embora suas partes masculinas não correspondam", disse. Também contou que ambos se comunicaram por meio de um aplicativo de tradução. Eles teriam passado duas horas juntos na Vila Olímpica.
Já ao The Sun, a estudante contou que o velocista prefere ir com calma na cama. "Ele tem um corpo muito musculoso e é um corredor rápido, mas ele não quis se apressar quando fomos para a cama", contou. Em um momento de descontração, o atleta também teria dançado 'Work' de Rihanna pelado no chuveiro.
Ela diz que o atleta deu a ela cem euros para pagar o táxi. Bolt também teria prometido que os dois se reencontrariam. "Eu realmente pensei que tinha alguma coisa acontecendo. Mas agora eu posso ver que ele pega mulheres tão rapidamente quanto ele pega medalhas de ouro", lamentou.
Mãe de um menino de dois anos e de uma bebê que completa um ano em breve, ela diz que pretende usar a oportunidade para dar uma vida melhor para as crianças. "Quero dar do bom e do melhor para eles. Vou aproveitar as oportunidades que surgirem", planeja.

Affair de Bolt já tem empresário e vende entrevista a jornal inglês


Para evitar o assédio, o empresário a instalou num apartamento no Recreio

© Instagram / jadyduarteduarte

Parece que os 15 minutos de fama de Jady Duarte se estenderam. Após ter um affair com o atleta Usain Bolt, a carioca, de 20 anos, se tornou uma celebridade. Ela já tem até empresário para administrar a agenda. Foi ele quem negociou, com exclusividade em troca de algumas cifras, uma entrevista exclusiva de Jady para o tabloide inglês “The sun”, aquele que costuma cobrir as fofocas da família real.

Segundo informações do jornal 'Extra', o alvoroço em torno da moça provocou uma multiplicação de perfis falsos dela nas redes sociais. Jady teve, inclusive, sua conta do Instagram (o qual Bolt passou a seguir ao conhecê-la) hackeada. O que usava no Facebook ela mesma apagou.
Para evitar o assédio, o empresário a instalou num apartamento no Recreio. Tem até amigo “usando” a fama instantânea de Jady. A foto dela aparece na filipeta de um baile na próxima quinta-feira. A carioca é anunciada como atração da noite: “Presença confirmada: Jady Bolt”.

Grávida, brasileira dorme há 4 dias em metrô de Paris após agressões

Na terça-feira (23), a mãe foi até o Ministério Público Federal (MPF) pedir apoio

Uma jovem amapaense de 20 anos, que estaria fugida do ex-companheiro francês após acusá-lo de agressões e cárcere privado na França, dorme há quatro dias no metrô de Paris. Em Macapá, a mãe da jovem, Elizane Barros, de 37 anos, recorre a órgãos públicos e polícia para tentar ajudar a filha. 
©Reuters

Na terça-feira (23), a mãe foi até o Ministério Público Federal (MPF) pedir apoio. Ela contou o drama vivido pela jovem e mostrou conversas que tem com a filha pelo celular, em que a moça conta sobre as agressões. A dona de casa acusa o homem de aliciar mulheres no Amapá para levar até Paris, engravidá-las e garantir um benefício social pago pelo governo do país, segundo informações do G1.
Desesperada, a mãe chora e teme que a segurança dela esteja em risco. “Mesmo sabendo que ela não podia engravidar, ele pagou um tratamento para ela ter o bebê e receber um auxílio do governo. Ela vivia trancada em casa, só saía do quarto para comer e ainda era agredida. Muito triste para uma mãe ouvir isso”, desabafou.
A jovem conheceu o francês pela internet e deixou a casa dos pais em Santana, a 17 quilômetros de Macapá, em dezembro de 2015. Segundo Eliziane, o homem veio até a casa da família, pediu a permissão para o relacionamento e custeou toda a viagem.
“Eles se conheceram pela internet. Ele veio aqui em julho do ano passado conhecer a família, e passou dois meses aqui [Santana]. E nesses dois meses tirou passaporte, comprou telefone para ela e começou a iludir. Aconselhei ela a não ir, mas sabe como é jovem, ela já tinha mais de 18 anos e não podia mais obrigá-la a ficar em casa”, relembra a mãe.
Logo que chegou a Paris, o drama começou. A mãe informa, porém, que só descobriu as supostas agressões quatro meses depois, em abril de 2016. A jovem teria aproveitado a ida do companheiro ao trabalho para fugir. "Ela chegou a encontrar abrigo na casa de uma idosa na cidade de Rennes, mas ao perceberem que ela estava grávida, ela foi expulsa do local", contou.
Passando fome e grávida de quatro meses, a jovem não realizou exames de pré-natal e corre o risco de perder o bebê, segundo a mãe, que conta que a filha sofre de útero hipoplástico, quando o órgão não se desenvolve totalmente.
A mãe conta, ainda, que a jovem procurou a embaixada brasileira na França e denunciou o caso também para a polícia, mas foi orientada pelas duas instituições a retornar para a casa do suposto agressor.
O Palácio do Itamaraty, por sua vez, informou desconhecer qualquer tratamento indevido, e que o caso da jovem é de “emergência”, e o auxílio a ela será prestado de forma imediata assim que a amapaense for até a embaixada em Paris.
A família alega que não tem condições de pagar uma passagem para que ela volte ao Brasil.
Pessoas próximas à jovem contaram à Elizane que o francês já estaria assediando outra jovem no Amapá para morar em Paris e engravidar, a fim de que ele continue recebendo auxílio financeiro do governo francês.

Busca por Paralimpíadas cresce e 100 mil entradas são vendidas em um dia



Após um início de vendas preocupante, os brasileiros finalmente descobriram a Paralimpíada. Na última semana, o prefeito Eduardo Paes, do Rio, anunciou que "quase nenhum ingresso havia sido vendido", mas somente nesta terça (23) 100 mil entradas foram compradas. Até então, menos de 20% dos bilhetes haviam sido adquiridos (400 mil de 2,5 milhões), de acordo com o GloboEsporte.com.
© Marcelo Camargo/ Agência Brasil
Nos Jogos Paralímpicos Rio-2016, duas novidade: canoagem e triatlo. Essas duas modalidades estreiam nesta edição e se juntam às outras 21, entra elas natação, atletismo e basquete em cadeira de rodas.
Para o público que pretende assistir às provas, o Comitê Paralímpico Brasileiro informa que ainda há entradas para todas as modalidades. As compras devem ser feitas pelo site www.rio2016.com. Os preços partem de R$ 10 até R$ 1.200. Nos Jogos de Londres, o Brasil, uma das potências paralímpicas, terminou em sétimo lugar no quadro geral de medalhas.

Slideshow